quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Sobrevivencialismo psicológico: A vingança é uma força transformadora?

Transformadora sim, boa nem um pouco, tanto para as vítimas quanto para o portador desta força destruidora. Para ficar mais claro nesta matéria pegaremos como exemplo a vida de duas pessoas muito famosas com uma história muito semelhantes. uma é um personagem da cultura pop Erik Magnus Lehnsherr mais conhecido o vilão mutante Magneto, das histórias em quadrinhos dos X-men capaz  manipular campos magnéticos, e controlar qualquer tipo de metal. Vítima da perseguição nazista teve sua família morta, e posteriormente teve outras tragédias pessoais também relacionadas com preconceito. Diante disso ele resolveu  atacar os humanos alegando direito de iniciar uma Guerra contra Humanidade.

 E em contraponto   vamos comparar a sua história e decisões com as do neuropsiquiatra austríaco Viktor Emil Frankl, uma pessoa real, que teve uma biografia extremamente semelhante com a do mutante e vamos analisar se realmente a decisão do caminho da vingança é a mais acertada frente a crueldade do mundo.

 

 

Magneto X Viktor Frankl

Erik Magnus Lehnsherr foi perseguido juntamente com sua família, por serem de origem judaica, sendo que  após ver todos seus familiares serem mortos, foi mandado para o campo de concentração de Auschwitz onde conheceu uma Cigana chamada Magda, e os dois fugiram do campo de concentração. Com muita dificuldade, ele reconstruiu sua vida, Magda, tendo uma filha: Anya.  

Magnus passou a ser chantageado por um capataz, para manter seu emprego tinha que dar metade de seu salário,  porém se recusou a aceitar a chantagem tendo sua casa incendiada vendo sua filha sendo queimada viva. em decorrência disto Erick utilizou seus dons de controle do magnetismo para matar todos que estavam no local, revelando pela primeira vez, seus poderes mutantes publicamente, Magda chocada o abandona o abandona. 

Anos depois em um hospital israelense, Magnus conheceu o Professor Charles Xavier, mas mesmo com os conselhos do colega decide trilhar com o nome de Magneto pelo caminho da vingança para construir mundo um  mundo seguro para os mutantes. Nem que seja ao custo de muito sangue.

A história de Erik é muito semelhante com a de uma pessoa que existiu na vida real, a do neuropsiquiatra austríaco Viktor Emil Frankl. Em setembro de 1942, o Viktor, sua mulher grávida e demais familiares que são judeus são deportados para diferentes campos de concentração, tendo ele recebido a tatuagem de prisioneiro nº 119.104.

Victor Frankl apesar da sua história trágica decidiu ajudar as pessoas a encontrarem seu potencial.
 

Apesar desta experiência terrível Frankl são se tornou rancoroso, ou vitimista, muito pelo contrário, ele percebeu que mesmo em condições extremas onde a liberdades pessoais são limitadas o indivíduo ainda tem o poder de escolha do que lhe é apresentado a sua frente, a liberdade do espírito. Ele menciona em sua obra, o best-seller "Em busca de Sentido", um dos fatos que observou, mostrando o poder de escolha, que cada pessoa possui e a responsabilidade do peso destas escolhas:

Ele lembrava de homens que andavam pelos alojamentos confortando a outros, dando o seu último pedaço de pão. Outros porém entregavam seus colegas por  pedaços de pães  oferecidos pelos soldados que queriam informações sobre qualquer irregularidade cometida por prisioneiros. Ou seja mesmo um homem numa situação terrível poderia escolher entre passar fome, dividir seu pão, ou entregar seus colegas à morte por causa do pão.

Na imagem acima vítimas do holocausto. Victor Frankl observou que mesmo em uma situação tão desumana ainda tinham escolhas que podiam mudar vidas a sua volta.
 

Frankl descreve ainda outras escolhas que fez, escolhas estas que foram fundamentais para seu futuro. No campo de concentração lhe ofereceram para trabalhar sob o comando do médico assassino Mengele, o anjo da morte de Autschwitz em experiências com os presos no campo de concentração,  a outra escolha era a morte. Porém ele escolheu uma terceira via, se ofereceu para ser psicólogo dentro do campo de concentração e isso lhe trouxe a oportunidade de ajudar pessoas a encontrar esperança em meio ao inferno, encontrando algum sentido para continuar viver apesar da situação. 

Entre trabalhar para o médico genocida Mengele e a morte Frankl escolhe uma terceira via, ser um psicólogo dentro do campo de concentração.
 

Infelizmente com o fim da guerra mais um golpe, Frankl toma conhecimento de que toda sua família havia morrido em consequência do Holocausto.

Mesmo assim com a experiência que somou dentro do campo de concentração ele buscou desenvolver um sistema de  desenvolvimento de potencial humano. Assim Frankl fundou a terceira escola vienense de psicoterapia, a Logoterapia e Análise Existencial. Assim Viktor cria a primeira ciência especializada em sentido da vida do mundo. Basicamente pode-se se dizer que a logoterapia foca na descoberta e  desenvolvimento de seu potencial, deixando para trás o sofrimento passado. O critério da logoterapia lembra muito o conceito da antifragilidade desenvolvido anos mais tarde pelo autor líbano-americano Nassim Nicholas Taleb, onde devemos transformar nossas experiência ruins em plataformas para o nosso crescimento e fortalecimento mental.

Diante disso vemos que a explicação do mutante Magneto para suas ações nada justifica, além de sua incapacidade de superar o passado e dos seus sentimentos destrutivos, que nada mais são do que parte de um perfil narcisista de um mindset fixo que desenvolveu. As consequenciais dos atos de Erik ao escolher o caminho da vingança para aliviar as suas dores, trouxe morte tanto para humanos inocentes, quanto da comunidade mutante que faz parte. Pois quando fazemos escolhas egoístas, baseadas apenas em nossas necessidades pessoais como os homens que entregavam os outros prisioneiros no campo de concentração por pedaço de pão em nada contribuímos para o nosso desenvolvimento  ou mudança  do mundo. Pois como já dizia o filósofo alemão Friedrich Nietzsche: 


 

Conclusão 


O ódio e o ressentimento são  forças emocionais  muito intensas, contudo elas impedem o crescimento e desnvolvimento mental, a pessoa fica presa e refém da sua história. Ao invés ser uma força impulsionadora, a vingança retém o seu portador em um circulo fechado, focado em seu ego ferido, se formando um mindset fixo. Ao passo que o desenvolvimento de um mindset de crescimento, como aponta Frankl no desenvolvimento de sua logoterapia ou a antifragilidade de  Nassim Nicholas Taleb, não só auxilia o indivíduo na superação dos traumas do passado como também no seu desenvolvimento pessoal.

A vingança apenas mantém a eterna dor, pulsões negativas como raiva e tristezas e consequentemente alterações negativas no próprio metabolismo,  liberando hormônios estressores em alta quantidade no corpo, desregulamentando o sistema circulatório desenvolvendo doenças cardíacas e ainda produzindo radicais livres podendo desenvolver doenças degenerativas. Como já dizia uma máxima antiga a mágoa atinge mais o próprio portador.

                                                 Magneto, puro ódio em movimento.

 

Obras indicadas:

 

 Livros:



 

Dúvidas? Sugestões? Deixem nos comentários. E nos ajude a lutar por uma internet livre onde possamos aprender e compartilhar conhecimento, sem restrição. 



Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

 

 

 

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...